OS RESIDENTES ESTÃO CHEGANDO. ESTÃO CHEGANDO OS RESIDENTES.

Nossos residentes estão chegando no próximo fim de semana e na segunda feira já começam as atividades no Lab! Por aqui tudo pronto para recebê-los. Preparamos esse post para vocês ficarem conhecendo eles e saber o que andam desenvolvendo.

VITOR MARTINS – Centro-Oeste

Artista visual, fotógrafo e videomaker, necessariamente nessa ordem! Vítor ‘Dads’ Martins nasceu e cresceu nas ex-cidades satélites de Brasília. Graduado em Ciência Política e em Fotografia, tem particular interesse pelas nuances do tempo e pela maneira com o ser humano enxerga e interage com o espaço.

Começou a se interessar por fotografia brincando com uma câmera digital quase de plástico, achou que assim poderia se expressar melhor.

Acredita na poesia da gambiarra, pensa e cria muito em torno do improviso do jazz e do rap, e é defensor do papel transformador das utopias

RENATA VOSS - Nordeste

Fotógrafa alagoana que nos últimos 4 anos vem transitando entre Salvador, Maceió e Aracaju. Professora de fotografia da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, atualmente cursa doutorado em Artes Visuais também pela UFBA. Desenvolve trabalhos autorais desde 2004 e tem interesse por processos alternativos em fotografia bem como na investigação das relações entre fotografia, movimento e memória, investigando experimentações nos processos de revelação, de obtenção da cópia, ou mesmo na escolha do suporte fotográfico em que o trabalho será apresentado. Gosta de acordar cedo, de passear e provar comidas novas. Talvez tenha sido culpa da fotografia, pois fotografou bastante coisa de gastronomia e acabava sempre provando os pratos! Já fotografou pra publicidade. Essa na foto com ela é uma coruja do Parque dos Falcões, que fica em Itabaiana, em Sergipe. Não é linda?

Veja mais em:

renatavoss.wordpress.com

PAULA HUVEN - Sudeste

Trabalha a fotografia como dispositivo de encontros, relações, buscando colocar em jogo os sujeitos e suas representações. Parte da concepção de dispositivo não apenas como sistema técnico, mas como estratégias direcionadoras de experiências e produtoras de subjetividades. A fotografia enquanto dispositivo ativador capaz de suscitar encontros, acontecimentos e a produção da imagem, o ato fotográfico, torna-se o próprio lugar da experiência. Seu processo de produç