Como fazer Van Dyke

21-Jun-2016

Há um tempo atrás falamos sobre a história curiosa e incomum do surgimento e desenvolvimento do Van Dyke, vale muito a pena ler, será uma surpresa para você!

Também ensinamos a fazer cianótipo tim-tim por tim-tim.

 

Agora vamos te ensinar a fazer um Van Dyke como esses aqui da nossa GALERIA

 

Toda a parte a respeito dos materiais necessários já foi detalhada no post sobre cianotipia AQUI, e eles usam basicamente os mesmos itens, como papéis, pincéis, etc...

 

Sendo assim, vamos passar direto para a parte específica do Van Dyke.

 

O Van Dyke é o primeiro processo criado a utilizar sais de prata E ferro ao mesmo tempo, o que dá a ele mais sensibilidade e maior gama tonal que o cianótipo (que é só ferro), porém menos sensibilidade que o Papel Salgado (que é prata). Essa mistura também confere às imagens um tom amarronzado, ferroso.

 

 

 

 

 

Ele é composto de 3 soluções distintas, que devem ser preparadas separadamente e misturadas apenas no momento do emulsionamento.

Além disso, após a imagem ser exposta e lavada, deve ser fixada com uma quarta solução, que é feita com o Hipossulfito de Sódio, químico usado nos fixadores para fotografia P&B ainda hoje.

 

O Lab Clube comercializa um kit com essas 4 soluções pra fazer Van Dyke, o que facilita a vida de muita gente, maaaas, aqui a gente não só vende o peixe, também ensina a pescar.

 

 

 

 

Então anota aí os químicos que você vai precisar:

 

- Citrato Férrico Amoniacal de cristais verdes
- Ácido Tartárico
- Nitrato de Prata
- Hipossulfito de Sódio
- Água destilada

 

Além dos químicos, você vai precisar de:

 

- Balança de precisão
- Frascos de vidro para mistura dos químicos
- Frascos de vidro âmbar com tampa para guardar as soluções
- Etiqueta ou fita crepe para identificar as soluções
- Papel para aquarela
- Pincel
- Secador de cabelo ou ventilador
- Bandeja de tamanho maior que o papel a ser utilizado
- Negativo digital - aprenda a fazer AQUI
- Chapas de vidro ou acrílico
- Fonte de luz UV

 

OBS: TODOS ESSES MATERIAIS JÁ FORAM DESCRITOS E EXPLICADOS NO POST SOBRE COMO FAZER CIANÓTIPO AQUI

 

 

 

1) PREPARE AS SOLUÇÕES

 

Solução A)

20g de Citrato Férrico Amoniacal de Cristais Verdes
70ml água destilada

 

Solução B)

4g de Ácido Tartárico
70ml água destilada

 

Solução C)
8g de Nitrato de Prata
70ml água destilada

 

Solução D - FIXADOR)

60g de Hipossulfito de Sódio
2 litros de água

 

Prepare as soluções pelo menos 24h antes de emulsionar os papéis, para garantir que todos os cristais estejam bem diluídos no momento do uso.

Etiquete todos os vidros com as soluções e guarde-os em local com pouca luz.

Separadamente eles não são fotossensíveis, mas também não precisa deixá-los tomando um bronzeado por aí, né?

 

 

 

2) PREPARE SEU LOCAL DE TRABALHO

 

No dia seguinte, prepare seu local de trabalho: ele deve ser um espaço com pouca luz (no máximo sob uma lâmpada incandescente de 30w, jamais sob iluminação de lâmpadas de led ou fluorescentes ainda que abaixo de 30w porque emitem radiação indesejável de uv).

Não há necessidade de ser luz vermelha.

De preferência deve ter acesso a uma fonte de água corrente.

Você precisa também de uma bancada, mesa, suporte ou algo do gênero para preparar os papéis. Forre com jornais.

Use luvas de borrachas e máscara.

 

 

 

 

3) PREPARE O PAPEL FOTOGRÁFICO

 

Leve os químicos preparados, os papéis, pincéis e medidor graduado para o local de trabalho que você preparou.

Meça a mesma quantidade dos químicos A, B e C e misture num pequeno recipiente. Nesse momento a solução passa a ser fotossensível! Cuidado com a luz!

Molhe o pincel na solução e passe no papel com movimentos firmes e contínuos, evitando deixar marcas de pinceladas.

Emulsione bem o papel, mas sempre aos poucos, para que não crie "poças".

Quando terminar, coloque o papel para secar: pode ser naturalmente em um local escuro (o que vai levar pelo menos 24h) ou pode ser acelerado com um secador de cabelos na posição fria ou um ventilador.

Seja qual for a opção, o papel só estará pronto para uso quando estiver completamente seco.

 

 

 

 

 

4) EXPONHA O PAPEL

 

Pegue seu papel emulsionado já seco, seu negativo e as chapas de vidro.

Monte um sanduíche com eles na seguinte ordem, de baixo para cima:

 

Chapa de vidro > papel emulsionado > negativo > chapa de vidro

 

Prenda o conjunto com um grampo de marceneiro ou algo similar. É muito importante que o negativo fique bem "chapado" no papel, pois isso irá garantir maior nitidez na imagem.

Leve tudo para o sol (ou sua fonte de luz UV escolhida)

Observe a mudança de tom: ela vai começar amarelo claro e vai mudando para um tom alaranjado, quase marrom.

Aos poucos, com a observação, você vai aprendendo o momento exato de tirar o papel da luz.

 

 

 

 

5) "REVELE" E FIXE

 

Volte para o escuro, desmonte o sanduíche e coloque o papel em uma bandeja embaixo da água corrente.

Lave por cerca de 10 minutos ou até não sair mais químicos na água.

Mergulhe o papel em outra bandeja, com o fixador (Solução D). O fixador diluído pode ser utilizado várias outras vezes, em outros dias.. é só guardar após o uso dentro de uma garrafa plástica (as de água mineral são ótimas pra isso)

A imagem vai ficar com um tom de marrom mais escuro rapidamente. Deixe no máximo por 1 minuto e depois coloque novamente embaixo da água corrente.

Lave por mais 5 minutos então ponha para secar!

 

 

 

Seu Van Dyke está pronto!!

 

Se você fez por aí, manda pra gente ver e compartilhar ou posta usando a #labclubefoto

 

 

 

 

Please reload

Recomendados

Daguerre - Um Gênio ou um Aproveitador?

November 18, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes